Antes de iniciar esse post acho útil dar uma introdução pertinente. Como os gramáticos de plantão já devem ter percebido, existe um pequeno problema no meu cérebro (creio eu, embora não seja o único problema) que me torna inapto a entender alguns aspectos da língua portuguesa (e de outras línguas, eventualmente, com excessão do galactês). E um dos aspectos que mais me frustra é justamente o maldito conhecido como “uso dos porques”. Quantas horas de sono já perdi amaldiçoando meu dialeto, por este ter QUATRO maneiras diferentes de escrever uma expressão de mesma sonoridade e, na maioria das vezes, sentidos que poderiam ser entendidos pela simples observação do contexto. Gostaria de aqui me desculpar pelos erros e dizer que, se você “lia” este “blog” e vai deixar de lê-lo devido à esses “significantes” erros de português, então… tchau.

Vamos ao que interessa.

O que deve ter deixado o singelo leitor deste singelo veículo de informação curioso (e se você não entendeu, estou dizendo que o leitor está curioso, e não o veículo de informação), deve ter sido o singelo nome que o singelo escritor resolveu escolher para seu singelo veículo. É claro que O Porco Espinho não é um nome muito convencional para um blog, mas eu gostaria de lembrar-lhe que muitos dos outros nomes também não são convencionais. Enfim, sem mais rodeios, o nome desse blog é uma espécie de “homenagem” à uma animação O Porco Espinho na Névoa (Yozhik v Tumane) do diretor russo (ou soviético, sei lá) Yuri Norstein. O personagem principal da história é um porco-espinho que, sempre ao anoitecer, vai se encontrar cm seu amigo urso, na casa dele, para sentarem-se no teto e contarem as estrelas enquanto saboreiam uma boa (eca) geleia de framboesa.

Em uma de suas idas à casa de seu amigo, o porco espinho vê um cavalo branco,  na névoa, ao tentar ir conversar com ele, o animalzinho acaba se perdendo no nevoeiro, e assim se dá quase toda a animação, o porco espinho tentando se livrar daquele ambiente hostil e assustador que é a névoa, cheia de animais espreitando e mistérios esperando, porém, quando ele finalmente consegue sair da névoa e encontrar seu amigo urso… bem, não vou contar o final, veja por si mesmo.

httpv://www.youtube.com/watch?v=oW0jvJC2rvM

Se você está achando um pouco parecido com aquele tema do google chrome, bom, é sim. Espero que tenha entendido alguma filosofia ou algo parecido na história, ela é bonita. Bom, até minha próxima injeção de criatividade/coragem!